Raízes - Sociologia & Psicanálise

Virgínia Bicudo e as origens do antirracismo no Brasil

  • Começou em: 13 de nov.
  • 200 Reais brasileiros
  • Online Via Zoom

Descrição do serviço

Objetivo geral: Fornecer uma introdução aos principais conceitos e abordagens dos estudos de raça no Brasil a partir da produção intelectual e biografia de Virgínia Leone Bicudo, indicando alguns atravessamentos fundamentais dentro dos estudos sociológicos da autora bem como sua relação com o contexto da produção das relações raciais durante os anos de 1940 e 1950 na cidade de São Paulo. Programação do curso: Módulo 1 - A Sociologia como instrumento de autodeterminação: Conexões entre biografia e produção intelectual de Virgínia Leone Bicudo. Descrição/conteúdo: No primeiro módulo, analisaremos, o estudo crítico de Virgínia Leone Bicudo e o desenvolvimento da Sociologia enquanto instrumento de autodeterminação: entender para transformar. Analisaremos, a partir da a partir de sua dissertação de mestrado Atitudes Raciais entre Pretos e Mulatos (1945) o debate sobre as relações raciais no Brasil durante os anos de 1940, a perceber as primeiras produções científicas nas quais o sujeito negro deixa de ser objeto para se tornar sujeito que pensa sobre a questão do racismo a partir de sua própria trajetória. Módulo 2 -“Desde Criança eu sentia preconceito de cor” : A Contribuição de Virgínia Leone Bicudo ao projeto UNESCO. Descrição/conteúdo: Neste encontro faremos uma breve introdução sobre a construção dos estudos implementados pelo Projeto UNESCO no Brasil, contextualizando e conectando com o contexto político e social. Após esse sucinto panorama, procuraremos compreender a partir da obra Atitudes de grupos escolares em relação com a cor de seus colegas ( 1955), no qual a autora se utiliza de análise sociológica e psicanalítica para entender os resultados da dinâmica das relações raciais em grupos escolares na cidade de São Paulo, analisando a produção do conhecimento sobre o racismo e suas consequências psíquicas tanto para as crianças e pais vítimas como para os discriminadores. Ampliando a abordagem discutiremos sobre o processo de invisibilização da produção de Virgínia Leone Bicudo, refletiremos acerca do epistemicídio como uma ferramenta estratégica para produção de desigualdade racial no Brasil. Sobre a professora: Juliana Bartholomeu é socióloga, pesquisadora e professora. Mestre no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Pesquisadora na área dos estudos epistêmicos com foco em produção intelectual negra e professora de sociologia da rede pública de ensino do Estado de São Paulo.

Próximas sessões

Informações de contato

(11) 96327-1726

secretaria@institutodalma.com.br

Rua São Martinho - Campos Elíseos, São Paulo - SP, Brasil